270 voos cancelados e prejuízo diário de R$ 50 milhões na greve

Abear: 270 voos cancelados e prejuízo diário de R$ 50 milhões na greve

 
Domínio Público

Oito dias de greve dos caminhoneiros acarretaram em mais de 270 voos cancelados

Oito dias de greve dos caminhoneiros acarretaram em mais de 270 voos cancelados

Após o oitavo dia de greve dos caminhoneiros pelo País, a Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear) divulgou uma lista com os principais impactos na aviação. Ao todo, foram mais de 270 voos cancelados, além de inúmeras alterações, pelos aeroportos brasileiros, e não deve parar por aí.

“Apesar de a maior parte da malha aérea permanecer em operação, os cancelamentos e mudanças de horários deverão continuar a acontecer, sem previsão de normalização”, detalhou a associação, em comunicado divulgado na noite de hoje (28), ao analisar a falta de querosene de aviação pelo Brasil.

LEIA MAIS: IATA CRITICA POLÍTICA DE COMBUSTÍVEIS NO BRASIL

A Abear ainda estima um prejuízo diário de mais de R$ 50 milhões, envolvendo cancelamentos, pousos técnicos para reabastecimentos, no shows e passageiros que deixarem de embarcar.

Por fim, a associação volta a pedir para que os passageiros com viagem programada para os próximos dias, inclusive para o feriado, se informem sobre a situação dos voos junto às companhias aéreas antes de se deslocar ao aeroporto.

fonte: panrotas.com
Anúncios

Restrição de combustível nos aeroportos já provoca cancelamento de voos

Restrição de combustível nos aeroportos já provoca cancelamento de voos

 

Para minimizar impacto aos consumidores, a Azul disponibilizará a remarcação de bilhetes sem custo para quem tiver voos programados até o dia 31 de maio

São Paulo – A restrição de combustível de aviação em alguns aeroportos do País, como resultado da greve de caminhoneiros, já tem levado ao cancelamento de voos.

A companhia aérea Azul informou que cancelará algumas operações partindo das cidades de Belo Horizonte, Vitória, Recife, Belém, Natal, Goiânia, Palmas, Fernando de Noronha e Juazeiro do Norte.

Para minimizar o impacto aos consumidores, a Azul disponibilizará a remarcação de bilhetes sem custo para quem tiver voos programados até o dia 31 de maio e deseje optar por datas alternativas à sua programação.

Já a Latam Brasil ampliou a lista de aeroportos em que a companhia verifica restrições para operar: agora, são os de Brasília, Goiânia, Ilhéus, Recife, Teresina, Confins e Porto Alegre. Porém, a aérea afirma que a situação ainda não tem impactado seus voos.

Conforme anunciado na quarta-feira, 23, à noite, a Latam Brasil oferecerá isenção da cobrança de taxa de remarcação e das diferenças tarifárias da passagem para nova data à escolha do cliente e, sem multas, em voos domésticos com partidas, chegadas ou conexões programadas para os aeroportos onde há restrições de abastecimento de combustível de aviação.

Gol informa que ainda não registrou, até o momento, atrasos ou cancelamentos de seus voos. Apesar disso, a companhia destaca que está aplicando medidas de contingência em toda operação, “mantendo as ações necessárias para minimizar os impactos aos seus clientes”.

 

Fonte: exame.com.br

Anac recomenda confirmação prévia de voo aos passageiros

Pela crise, Anac recomenda confirmação prévia de voo aos passageiros

Wikicommons

Segundo a Anac, há um acompanhamento em tempo real do abastecimento de aeronaves nos aeroportos

Segundo a Anac, há um acompanhamento em tempo real do abastecimento de aeronaves nos aeroportos

Após mais um dia de manifestação dos caminhoneiros, a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) se manifestou. O objetivo foi confirmar que todos os voos que estão em operação seguem abastecidos dentro do estabelecido pelos regulamentos da Agência. Mesmo assim, pede aos passageiros que confirmem o voo junto à aérea antes de se dirigirem aos aeroportos.

“Considerando contratempos na malha aérea decorrentes da falta de abastecimento de querosene de aviação, em razão da paralisação nacional de caminhoneiros, a Anac recomenda aos passageiros, com voos marcados para os próximos dias, que consultem as empresas aéreas antes de se deslocarem para os aeroportos até que a situação se normalize”, publicou a Anac nesta quinta-feira (24).

Durante o dia 23, o aeroporto de Brasília (BSB) teve três voos cancelados pela falta de combustível. A Anac, por sua vez, afirma que está acompanhando em tempo real o abastecimento dos aeroportos e os possíveis impactos às operações.

fonte: panrotas.com

Trem que ligará três cidades da Flórida

Trem que ligará três cidades da Flórida será inaugurado na sexta

O aguardado Brightline, mais novo trem expresso da Flórida, realizou semana passada sua viagem inaugural. O serviço será inaugurado oficialmente no sábado (19) com promessas de desafogar o trânsito da região.

O trem que, segundo a empresa irá focar na hospitalidade, conectará West Palm Beach, Fort Lauderdale e Miami pelos trilhos. A abertura contará com oito viagens diárias ao Norte e oito ao Sul. O preço da viagem irá variar de US$ 3 a US$ 5 no fim de semana inaugural.

De acordo com a empresa, a fase dois do projeto começará a ser iniciada no decorrer deste ano e irá conectar o Miami Central ao aeroporto internacional de Orlando.

Divulgação/Brightline

Durante a celebração, o presidente e diretor de Operações da Brightline, Patrick Goddard, declarou que o Sul da Flórida tem o “pior tráfego” dos Estados Unidos. Mas esse fator problemático logo deixará de incomodar a população e os turistas.

“Estamos fazendo um investimento sem precedentes na Flórida e os benefícios podem ser vistos hoje por meio da criação de empregos e do lançamento do Brightline e do Miami Central. Acreditamos que o Miami Central será um marco significativo em Miami por gerações e a Brightline conectará o Estado de maneiras que nunca foram feitas antes”, afirmou.

O evento contou com a participação de autoridades e representantes locais que participaram do simbólico corte de fita.

Fonte. panrotas.com

Brasileiros terão que pagar taxa para entrar nos países da Europa

Brasileiros terão que pagar taxa para entrar nos países da Europa

Para aumentar segurança, um novo sistema para turistas que não precisam de visto na UE exigirá o pagamento e a divulgação de dados pessoais

Paris — Turistas e profissionais de países que não precisam de visto para entrar na União Europeia, como o Brasil, terão de deixar seus dados em um site e pagar uma taxa de 7 euros para poder viajar. O imposto será parte do Sistema Europeu de Informação e Autorização de Viagem (Etias), aprovado nesta quarta-feira, 25, em um acordo entre a Comissão Europeia e o Parlamento, em Bruxelas.

A iniciativa ainda precisa do aval do plenário do Parlamento Europeu e não tem data para entrar em vigor. Em estudo desde 2015, quando ocorreram os atentados de Paris, o Etias pretende ampliar a segurança e a capacidade de identificar quem viaja por companhias aéreas para a Europa. O sistema é idêntico ao americano (Esta), que ficha todos os passageiros que ingressam no país.

Pelo projeto, a cada viagem os brasileiros, por exemplo, terão de entrar em um site a ser criado para o Etias, preencher um formulário eletrônico e pagar uma taxa de 7 euros. Esse cadastro continuará a dispensar a necessidade de um visto. Brasileiros continuarão a ter o direito de ingressar e permanecer até três meses viajando por países do Espaço Schengen.

Terroristas

O objetivo da proposta é evitar o trânsito de terroristas como os que realizaram o atentado de Paris, em 13 de novembro de 2015, mas seu alcance será maior. Passageiros que constem em fichários de inteligência policial por suspeitas de terrorismo, que sejam potenciais imigrantes irregulares ou que representem risco à saúde pública não poderão entrar na UE. A guerra ao terror: Secretário dos EUA irá a Paris debater financiamento terrorista. 

O Etias também representará um novo imposto para a UE, que não apenas financiará o funcionamento do sistema, como cobrirá em parte a perda de orçamento representada pela saída do Reino Unido do bloco. A perspectiva é de que 39 milhões de turistas entrem no Espaço Schengen em 2020.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.