Atenção a vacinas, água e outros itens evita problemas de saúde na viagem

Atenção a vacinas, água e outros itens evita problemas de saúde na viagem

 

Procure levar seus remédios na embalagem original, com a receita médica

Procure levar seus remédios na embalagem original, com a receita médica

A trabalho ou de férias com a família, nenhuma viagem é imune a imprevistos. Mas muitos contratempos podem, sim, ser evitados – de uma doença grave para a qual já existe vacina a uma simples bolha no pé, provocada pelo calçado novo que deveria ter sido amaciado com antecedência. Veja a seguir uma lista dos cuidados que você precisa ter antes, durante e até depois do passeio para garantir o seu bem-estar.

ANTES DE VIAJAR
Consulte um médico: cerca de um mês antes do embarque, busque um especialista em Medicina de Viagem. Trata-se de uma área relativamente nova no Brasil e que, em geral, é exercida por infectologistas. Nos municípios em que não exista essa especialidade, você pode consultar, ainda, um clínico geral ou, no caso das crianças, um pediatra. “O mais importante é que o profissional esteja familiarizado com esse tipo de atendimento. Como há diversas doenças infecciosas que podem acometer os viajantes, muitas vezes os infectologistas é que têm mais familiaridade com o tema”, explica Káris Rodrigues, infectologista do Centro de Informação em Saúde do Viajante (Cives), da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

No Centro, primeiro serviço do tipo implantado no país, o aconselhamento a viajantes é uma consulta médica gratuita, agendada por e-mail (veja no site). Em outras regiões do país também podem ser encontrados ambulatórios ou centros de orientação para a saúde do viajante, indicados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária.

Se necessário, tome vacina: além de avaliar se as condições de saúde do viajante requerem alguma atenção especial, o médico consultado poderá indicar a imunização com vacinas. A contra febre amarela é obrigatória para o ingresso em alguns países e deve ser administrada pelo menos dez dias antes da viagem. Também há outras vacinas recomendadas conforme o destino.

“Para quem vai à Meca, na Arábia Saudita, durante o período de peregrinação muçulmana, por exemplo, também se recomenda vacinação contra meningite meningocócica”, diz o infectologista Marcellus Costa, responsável pelo Centro de Medicina de Viagem da Fundação Oswaldo Cruz. “Informe-se nos centros de orientação ao viajante da Anvisa se existe indicação de vacina para o destino da sua viagem”, recomenda o médico.

Getty Images

Lembre-se de levar todos os remédios que precisará usar durante a viagem

Contrate um seguro de saúde: o seguro é recomendado sobretudo para quem vai viajar a países onde os custos médicos costumam ser muito altos. Os preços variam conforme o local, o tipo de viagem e a cobertura. “É importante saber que alguns seguros não cobrem nenhuma atividade de aventura, mesmo trekkings”, diz a infectologista Káris Rodrigues.

Confira, também, se o país para onde você vai tem algum acordo internacional que permita a cidadãos brasileiros utilizarem a rede pública local. Para se beneficiar do acordo, é necessário obter um Certificado de Direito a Assistência Médica. Para saber mais, acesse o site.

DURANTE A VIAGEM
Leve seus remédios: os medicamentos com prescrição médica dos quais o turista faz uso contínuo devem ser levados em quantidade suficiente para durar durante toda a viagem. Em roteiros internacionais, recomenda-se que os remédios sejam levados na embalagem original, junto com a receita médica, com o nome do paciente, a indicação e o tempo de uso.

“Se houver relatório do médico em inglês,melhor ainda”, diz Gustavo Henrique Johanson, infectologista do Ambulatório de Medicina do Viajante da Universidade Federal de São Paulo. Mas vale ficar atento ao volume dos recipientes: as normas de segurança aérea só permitem levar na bagagem de mão medicamentos líquidos de até 100 ml.

Use roupas e calçados confortáveis: conforto é prioridade quando se trata de escolher roupas e calçados para a viagem – e não apenas para prevenir incômodos simples, como uma prosaica (mas insuportável) bolha no pé. Evitar roupas e sapatos muito apertados também é uma das recomendações para a prevenção de um problema bem mais sério, a trombose venosa, que é a formação de um coágulo no interior do vaso sanguíneo (o trombo). Ele ocorre geralmente nos membros inferiores, quando o passageiro fica muito tempo imóvel.

Em longas viagens, especialmente as de avião, é importante que o viajante movimente pernas e pés pelo menos a cada três horas, mesmo que permaneça sentado. Também se recomenda beber bastante líquido e evitar bebidas alcoólicas e sedativos. Quando existem fatores de risco, o médico pode recomendar o uso de meias de compressão e até medicamentos anticoagulantes. “Obesidade, tratamento de câncer, idade avançada e cirurgia recente são alguns dos fatores que aumentam o risco para a trombose”, afirma Johanson.

Getty Images

Não confia na qualidade da água? É melhor escolher a mineral

Evite o jet lag: o mal-estar provocado pela diferença de fuso horário nas viagens mais longas pode ser amenizado com algumas medidas simples. Segundo o médico Gustavo Johanson, o ideal é que, antes mesmo de viajar, o turista vá alterando a sua rotina diária gradativamente, aproximando-a, tanto quanto possível, da que terá no seu destino. Durante a viagem, deve-se evitar a ingestão de álcool e cafeína.

As pequenas sonecas, por outro lado, são recomendadas. Para favorecê-las, vale a pena lançar mão dos tapa-olhos e tapa-ouvidos. No local de destino, o viajante pode se expor à luz solar caso precise ficar acordado. “Se você chega no Japão durante o dia, mas o organismo ainda sinaliza que é noite, a exposição à luz solar inibirá um hormônio chamado melatonina, que induz ao sono”, diz o médico. Quando a diferença de fuso é muito grande, é possível apelar para medicamentos, prescritos por um especialista. “Uma alternativa é administrar a melatonina sintética para tratar a insônia”, explica Johanson.

Cuidado com o que ingere: a chamada “diarreia do viajante”, provocada por ingestão de alimentos ou água contaminados, é um dos problemas de saúde mais frequentes no turismo, diz a infectologista Káris. Para passar longe, evite comprar comidas de ambulantes; prefira alimentos cozidos e beba somente água mineral. Se tiver dúvidas em relação à procedência da água, recorra à água gaseificada, mais difícil de ser adulterada.

Xô, insetos: em regiões tropicais, proteja-se dos mosquitos. Assim, além de evitar o incômodo de uma picada, você se previne de doenças como malária e dengue. O infectologista Gustavo Johanson sugere o uso de repelentes à base de Icaridina, que é bastante eficiente contra o Aedes aegypti (transmissor da dengue) e tem durabilidade de até 10 horas. A Anvisa libera o uso desse produto para crianças a partir de dois anos de idade.

APÓS A VIAGEM
Se pouco tempo após o retorno surgirem sintomas como febre, diarreia, problemas de pele ou respiratórios, procure imediatamente um serviço de saúde e informe os locais por onde passou. Passeios em cavernas, grutas e áreas rurais, picadas de insetos e contatos com outras espécies de animais, por exemplo, devem ser relatados. Seja qual for o problema de saúde, quanto mais precoce o diagnóstico, melhor.

 

Fonte:Rita Trevisan e Suzel Tunes
Do UOL

 

 

Confira regras para levar seu pet em viagens

Adestramento prévio ajuda animais agitados a viajar bem

 

Numa viagem de São Paulo a Porto Alegre, a cadela Cindel, da raça shih tzu, foi posta no porão, dentro de um kennel (caixa de transporte).

Durante o voo, a gaiola abriu e Cindel ficou passeando na área, que tem a mesma climatização da cabine. Os donos, Juliano e Roberta Reckziegel, só souberam da “escapulida” no desembarque.

“A gente têm muito medo de levar no porão. Na única vez em que ela viajou lá, se soltou”, diz Roberta. “Somos obrigados a entregá-la já no check-in, como uma bagagem. É muito tempo que ficamos afastados.”

Para o casal, o preço também é um problema.

“Em um trecho entre São Paulo e Porto Alegre, a passagem dela, que tem 7 kg, custa, em média, R$ 150”, diz Roberta. “É o preço de uma poltrona para um adulto e ela tem que ir nos nossos pés.”

De avião, carro ou ônibus, é preciso ter cuidados para minimizar problemas. Um dos fatores a ser considerado é o temperamento do animal.

A gestora de conteúdo Flavia Alves foi de carro de Palmas (TO) a Uberlândia (MG) e precisou dar um sedativo, indicado pelo veterinário, para sua gata devido ao medo que o animal sente de ambientes estranhos. “No caminho, ela não comeu e não bebeu água.”

O uso de remédios deve ser cauteloso. “O tranquilizante pode funcionar no sentido inverso e deixar o bicho mais nervoso por não saber o que está acontecendo”, afirma a veterinária Carla Berl, diretora da rede PetCare.

Segundo ela, é importante também tomar cuidado com a temperatura do local onde o bicho vai ficar, pois eles têm baixa resistência ao calor.

Uma dica de Alexandre Rossi, zootecnista e especialista em comportamento animal, conhecido como Dr. Pet, é treinar os animais mais agitados. “O adestramento prévio pode ensinar esse bicho a ficar calmo enquanto está na caixinha”, diz Rossi.

Companhias dizem tomar precauções

As companhias aéreas brasileiras dizem tomar todas as precauções para garantir que o transporte de animais seja seguro.

Avianca, Passaredo e Azul, que não levam animais no porão, consideram que, como o pet vai na cabine, o dono deve cuidar do animal. As empresas não têm registros de queixas quanto à fuga de animais.

TAM e Gol não levam animais de focinho curto pela menor capacidade respiratória e de regulação da temperatura. Dizem que, em caso de problemas, mobilizam equipes para dar assistência ao passageiro.

*

TURISTA DOMÉSTICO

Confira o que é preciso para levar seu bicho de estimação em voos nacionais.

  • Certificado de vacinação antirrábica com nome do laboratório e número da partida usada (a vacina deve ter sido aplicada pelo menos 30 dias antes do embarque)
  • Reserva antecipada com a companhia para a viagem do animal em função do limite de pets por avião
  • Carteira de vacinação do animal
  • Atestado sanitário de boas condições de saúde emitido por um veterinário

AZUL
4003-1118
voeazul.com.br
Cabine ou porão? Só na cabine; o peso do pet mais o da caixa de transporte não pode ultrapassar 5 kg
Medidas da caixa Até 43 cm comprimento, 31,5 cm de largura e 20 cm de altura
Quanto R$ 140 por trecho

PASSAREDO
0800-7703757
voepassaredo.com.br
Cabine ou porão? Pet só pode viajar na cabine; seu peso somado ao da caixa não pode ultrapassar 10 kg
Medidas da caixa Até 36 cm de comprimento, 40 cm de largura e 24 cm de altura
Quanto R$ 150 por trecho

TAM
4002-5700
tam.com.br
Cabine ou porão? Na cabine, desde que seu peso com a da caixa não ultrapasse 7 kg; até 45 kg, vai no porão; acima disso e animais de focinho curto, como os cães da raça pug, devem ir pela TAM Cargo; Não transporta animal sedado ou prenhe
Medidas da caixa Caixa rígida: 36 cm de comprimento, 33 cm de largura e 19 cm de altura; caixa flexível, 36 cm de comprimento, 33 cm de largura e 23 cm de altura
Quanto R$ 200 para transporte na cabine; para o porão, taxa de R$ 90 mais o total do peso do animal com a caixa multiplicado pelo correspondente a 0,5% da tarifa cheia do trecho

GOL
0800-7040465
voegol.com.br
Cabine ou porão? Só viaja no porão; máximo de 30 kg; acima disso, deve viajar pelo serviço da Gollog; não transporta pets de focinho curto
Medidas da caixa Até 135 cm de comprimento, 122 cm de largura e 86 cm de altura
Quanto R$ 90 mais o peso do animal com o kennel multiplicado pelo valor correspondente a 1% da tarifa cheia do trecho

AVIANCA
4004-4040
avianca.com.br
Cabine ou porão? Só na cabine, desde que peso do animal mais o da caixa de transporte não ultrapasse 8 kg
Medidas da caixa Até 40 cm comprimento, 26 cm de largura e 25 cm de altura
Quanto R$ 100 por trecho

*

E VOOS INTERNACIONAIS?

Conheça as leis gerais:

  • O estado de saúde e o histórico sanitário do animal devem ser declarados em documento emitido pelas autoridades veterinárias do Brasil e aceito pelo país de destino. No Brasil, esses documentos são o Passaporte para Trânsito de Cães e Gatos e o CVI (Certificado Veterinário Internacional); ambos são emitidos nas unidades do Vigiagro (Sistema de Vigilância Agropecuária Internacional)
  • O passaporte e o CVI têm o mesmo objetivo; a principal diferença é que o primeiro pode ser usado em várias viagens, sendo validado a cada vez por fiscais federais agropecuários; o CVI deve ser emitido a cada saída
  • Para saber a documentação necessária para emissão do passaporte e CVI acesse www.agricultura.gov.br
  • Para tirar o passaporte, o pet precisa ser microchipado (veterinários fazem o implante)
  • O passaporte é aceito nos países com os quais o Brasil possui acordo de equivalência; para saber quais são, informe-se nas unidades do Vigiagro
  • É preciso ficar atento às exigências específicas das companhias e dos países de destino para permitir o ingresso de animais; consulte sempre empresas aéreas e embaixadas

Confira as normas das companhias com mais voos frequentes no país

IBÉRIA
(11) 3956-5999
iberia.com

No porão
– Cobra US$ 240 (R$ 574 )por animal, por voo
– No porão, devem ser transportados numa caixa adequada, de material resistente, com fecho de segurança e fundo impermeável
– O número de caixas e as dimensões delas está limitado ao tipo de avião

Na cabine
– Animal + caixa não podem pesar mais que 8 kg
– A caixa tem de ter, no máximo, 45 cm de comprimento, 35 cm de largura e 25 cm de altura, e desde que a soma destas três dimensões não exceda 105 cm
– Os pássaros devem ficar em gaiolas resistentes, com fechadura segura. A gaiola tem de ficar sempre coberta
– O animal deve permanecer dentro da cesta o tempo todo

AMERICAN AIRLINES
(11) 4502-4000
aa.com.br

– Despachados US$ 150 (R$ 359); na cabine: US$ 125 (R$ 300)
– A capacidade por voo é limitada, portanto, animais despachados são aceitos por ordem de chegada
– Animais despachados precisam de atestado de saúde
– Aceita no máximo sete animais na cabine por voo, por isso é preciso contatar o serviço de reservas antes
– Os animais não podem ser retirados da caixa
– Animais despachados não serão aceitos mais de quatro horas antes do horário do voo
– Só aceita transportar gatos e cães. A empresa diz poder recusar qualquer animal que demonstre comportamento agressivo
– Gatos e cães braquicéfalos ou de focinho achatado não podem ser despachados
– As dimensões-limite na cabine são 48,26cm x 33,02cm x 22,86cm; no porão, 1 m x 68 cm x 76 cm
– Cães e gatos devem ter idade mínima de oito semanas para poder viajar. Se dois animais estiverem viajando na mesma caixa, deverão ser da mesma espécie (dois gatos ou dois cães)
– Animais só são aceitos em voos que duram menos de 12 horas
– Animais não são aceitos quando a temperatura atual ou prevista, em terra, estiver acima de 29,4ºC ou abaixo de 7,2ºC em qualquer ponto do itinerário.
– Não são aceitos animais grávidos com mais de 45 dias de gestação

COPA AIRLINES
tel. (11) 3549-2672
copaair.com

– US$ 75 (R$ 180) na cabine
– Não aceita animais na classe executiva; só permite cães e gatos
– É preciso reservar o espaço do animal pelo menos 48 horas antes do voo
– Não são aceitos animais com menos de oito semanas
– Menores de idade não podem viajar sozinhos com animais
– Exige atestado de saúde
– Em caso de emergência, avisa que não se administra oxigênio aos animais
– Cada caixa não pode ter mais de um cão ou gato adultos nem mais de dois cães de 2 a 6 meses, com tamanho compatível de 9,1 kg cada um
– Transporta caixas de, no máximo, 1,2 m x 81 cm x 88,6 cm (só nos Boeings 737-700/800 e no Embraer 190); outras aeronaves comportam caixas menores
– Só aceita animais com idade mínima de dois meses e máxima de 11 anos. Em casos especiais, fora da norma, é preciso assinar um termo de responsabilidade

AIR FRANCE
4003-9955
airfrance.com.br

– Cobra US$ 200 (R$ 480) por animal
– Cães e gatos com mais de 8 kg e 75 kg no máximo devem viajar obrigatoriamente no porão; animais mais pesados são transportados como carga aérea; os que pesam menos de 8 kg podem ir na cabine
– O transporte no porão é limitado a três animais por passageiro (o número pode ser reduzido em função do tipo de aeronave)
– Recomenda que o passageiro informe logo na reserva que vai transportar um animal no porão
– A partir do dia 26, não transportará mais animais com focinho achatado no porão
– O animal deve ter no mínimo dez semanas
– Apresentar o formulário “Condições de transporte de um cachorro ou gato no porão”, da companhia
– A caixa deve ser feita em fibra de vidro ou em plástico rígido; se tiver rodas, elas devem ser retiradas ou bloqueadas com fita adesiva
– O animal deve poder ficar em pé, com a cabeça totalmente erguida, sem tocar na parte superior da caixa
– É preciso que o animal tenha pelo menos dez semanas
– O animal não pode ser retirado da caixa ou da bolsa durante o voo
– Só é permitido um animal por caixa
– Não permite o transporte de staffordshire terrier ou pit bulls, mastins e tosas

UNITED
(11) 3145-4200
united.com

– Cobra US$ 125 (R$ 300) por trecho
– Permite gatos, cães, coelhos e pássaros domésticos
– As caixas permitidas na cabine pode ter laterais rígidas e, no máximo, 44 cm x 30 cm x 19 cm, ou acolchoadas, com 46 cm x 28 cm x 28 cm; a caixa tem de caber embaixo do assento dianteiro
– Recebe até quatro animais na classe econômica por voo
– Animais de estimação não podem viajar com menores desacompanhados.
– Os animais têm de permanecer em suas caixas o tempo todo
– Não são permitidos animais com idade abaixo de oito semanas.
– Em caso de emergência, o serviço de oxigênio não estará disponível para os animais.

LUFTHANSA
(11) 3048-5800
lufthansa.com

– Para transportar animais de até 8 kg, na cabine, cobra US$ 100 (R$ 240). No porão, caixas de 60 x 45 x 40 cm e 80 x 55 x 55 cm custam US$ 200 (R$ 480), as de dimensões 100 x 65 x 70 cm e 125 x 75 x 85 cm, US$ 400 (os preços são sempre para longas distâncias)
– Recomenda que o passageiro faça o check-in com antecedência se estiver viajando com seu animal de estimação
– Pede para informar sobre o animal no ato da reserva do seu voo
– Na cabine, animal mais caixa devem pesar até 8 kg
– A caixa tem de ter medir até 55 cm x 40 cm x 23 cm
– No porão, a caixa tem de permitir que o animal fique em pé e precisa ser à prova de fuga; ele tem de poder ficar em pé
– Se a caixa tiver rodas, elas têm de ser retiradas durante o transporte no porão
– É proibido levar para a Alemanha cães das raças pit bull, staffordshire terrier americano, staffordshire bull terrier e bull terrier
– Recomenda que não se transporte cães de focinho achatado se a temperatura de partida ou de chegada for maior que 27°C

EMIRATES
(11) 5503-5000
www.emirates.com

– Não permite transporte de animais na cabine, com a exceção de falcões entre Dubai e alguns destinos no Paquistão e cães-guia para os deficientes visuais
– Nos outros itinerários, falcões, gatos, cães e aves podem ser transportados como bagagem despachada em contenção, desde que o tempo total de viagem, incluindo o tempo em trânsito, seja inferior a 17 horas
– Cães e gatos têm de ter mais de quatro meses para voar
– Não transporta cães das raças bull terriers, pit bulls, staffordshires, irish blue, red nose, buldogue americano, mastins, tosas, filas e cães lobo
– Transporta animais de focinho achatado entre 1º de outubro e 30 de abril. Em outras datas, os casos são estudados um a um
– Não transporta fêmeas prenhas além de 1/3 do período de gestação

AEREOLÍNEAS ARGENTINAS
0800-0005050
aerolineas.com.ar

– As taxas cobradas pela empresas mudam a depender do destino. Consulte em aerolineas.com.ar
– Só transporta animais no porão
– Permite transporte de cães e gatos em aeronaves “narrow-body” (Boeing 737 e Embraer 190), a depender das condições meteorológicas no embarque
– Animais de focinho achatado só podem ser transportados como carga
– O transporte está sujeito à disponibilidade no porão -a reserva deve ser feita até 48 horas antes do embarque
– Não aceita fêmeas que tenham dado à luz em um período menor de oito semanas
– É necessário apresentar certificado zoosanitário do país de origem, assim como comprovantes de vacinação de todo cão e gato com três meses de idade ou mais
– O passageiro deve se apresentar quatro horas antes do embarque
– Exige caixa resistente e segura para o animal

TAP
0300-2106060
flytap.com.br

– Taxa por animal transportado na cabine parte de US$ 180 (R$ 431); no portão, de US$ 250 (R$ 600)
– Permite o transporte de cães e gatos na cabine
– O animal não pode se movimentar pela cabine
– O pedido para transporte do animal deve ser feito no momento da reserva do voo. É preciso informar a espécie do animal, peso da caixa com o animal dentro e as dimensões da caixa
– Na cabine, o peso máximo da caixa + animal é 7 kg e as dimensões máximas da caixa são de 48 x 32 x 25 cm
– Não aceita fêmeas grávidas
– A caixa precisa permitir que o animal se movimente
– O passageiro deve apresentar certificado internacional de saúde do animal
– Nove animais é o número máximo que transporta por voo na classe econômica
– No porão, o animal tem de ser transportado numa caixa de dimensões apropriadas ao seu tamanho

DELTA
0800-7610035
pt.delta.com

– As taxas variam de acordo com o peso do animal e o destino. Consulte em www.deltacargo.com
– É preciso reservar espaço para o animal com uma antecedência de pelo menos três dias
– As exigências (certificados, licenças, atestados de vacina e microchips) variam de acordo com o país de destino
– Recomenda que o passageiro chegue uma hora antes para que sejam feitos os trâmites
– A caixa precisa permitir que o animal se movimente e fique em pé
– Não transporta animais com menos de oito meses de idade
– Cães de focinho achatado não são transportados caso a temperatura em algum trecho ultrapasse os 24°C

 

 

fonte: Folha STEFANIE SILVEIRA

Novo voo da Tam para Cancun já está à venda

A Tam iniciou hoje as vendas de passagens para o seu voo direto que ligará Guarulhos, em São Paulo, a Cancun, no México. A frequência será semanal, aos sábados. O voo JJ8160 sairá de São Paulo às 12h50, chegando a Cancun às 17h30. Já o retorno será realizado pelo voo JJ8161, com partida programada para as 19h00, também aos sábados, e com aterrissagem às 07h40 em São Paulo.
“Cancun é um destino turístico muito desejado pelos brasileiros e o novo voo irá atender esta demanda em um confortável voo direto. Além disso, a conectividade dos voos oferecidos pelo Grupo Latam aumenta ainda mais as possibilidades aos viajantes que desejam usufruir do balneário”, afirma o diretor de Vendas Indiretas, Igor Miranda.

Fonte: Panrotas

TAM e LAN passam a permitir celular e tablet durante todo o voo

Eletrônicos poderão ser usados inclusive na decolagem e no pouso.
Medida começa a valer nesta quarta-feira e será implantada aos poucos.

Passageiro usa tablet em voo (Foto: InStock / Image Source/AFP)
Passageiro usa tablet em voo
(Foto: InStock / Image Source/AFP)

Passageiros das companhias TAM e LAN poderão usar aparelhos eletrônicos como smartphones e tablets durante todo o voo, inclusive na decolagem e na aterrissagem. Os dispositivos devem estar no “modo avião”.

O grupo que controla as duas companhias afirma que elas são as primeiras da América Latina a tomar a medida. A mudança será implantada gradualmente nas aeronaves do grupo, começando nesta quarta-feira (15). Os voos operados dentro do Equador, bem como os que partem e vão para este país a partir de destinos na América do Sul serão os primeiros a usar as novas regras.

Segundo a empresa, o projeto foi desenvolvido em conjunto com as autoridades aeronáuticas de todos os países onde as companhias operam e testes de segurança foram feitos para a aprovação.

A medida é tendência mundial. No último mês, a Agência de Segurança Aérea Europeia (EASA, na sigla em inglês) também, liberou os dispositivos eletrônicos durante todo o voo das companhias aéreas que operam na Europa. No ano passado, os EUA já tinham tomado a mesma decisão.

  • Passageiro fala ao celular antes de embarcar em voo (Foto: Charlie Riedel/AP)

    Passageiro fala ao celular antes de embarcar em voo (Foto: Charlie Riedel/AP)
    Fonte:G1

    Americano ensina turista brasileiro a não ser um ‘babaca’ em Nova York

    Em português, jornalista dá dicas de comportamento em vídeos.
    Metrô, gorjeta e pizza estão entre os temas abordados.

    O jornalista americano Seth Kugel em um dos vídeos em que fala sobre o metrô de Nova York (Foto: Reprodução/Amigo Gringo)
    O jornalista americano Seth Kugel em um dos vídeos em que fala sobre o metrô de Nova York (Foto: Reprodução/Amigo Gringo)

    Sabe aquele turista americano que vai à praia no Brasil de chinelo, meia e bermuda, ao lado da mulher usando biquíni grande tipo “fralda”? Ele chama tanto a atenção (negativamente) quanto um brasileiro que vai a Nova York e não dá gorjeta para o taxista ou entra no metrô antes de deixar todo mundo sair do vagão.

    Com comparações como essas, o jornalista americano Seth Kugel quer mostrar aos brasileiros como devem se comportar em Nova York e o que podem fazer para não destoar tanto dos moradores locais quando visitarem a cidade. Nesta terça-feira (14), Seth lança o canal no Youtube “Amigo gringo”, com vídeos em que dá dicas – em português, com o típico sotaque norte-americano – para turistas brasileiros (os vídeos serão publicados a partir das 10h).

    Seth Kugel em cena de vídeo sobre o metrô de Nova York (Foto: Reprodução/Amigo Gringo)
    Seth Kugel em cena de vídeo sobre o metrô de
    Nova York (Foto: Reprodução/Amigo Gringo)

    O primeiro vídeo é dedicado ao metrô. Nos próximos, publicados às terças e sextas, ele falará sobre temas como gorjeta, segurança, roupas para aguentar o frio no inverno, preconceitos dos americanos em relação aos brasileiros, pizza, café e bagel (pão típico da cidade).

    Seth é conhecedor das duas realidades. Colunista de viagens do jornal “The New York Times”, ele mora em Nova York há 18 anos. Apaixonado pelo Brasil, adotou São Paulo como segundo lar: além de ter vivido na metrópole brasileira por dois anos ininterruptos, vem com frequência para cá, a trabalho e para rever os amigos.

    Ele diz que a ideia é ser não um “guia turístico chato”, mas um “amigo sincero” que aborda as diferenças culturais entre os EUA e o Brasil e explica o que é bem visto e o que é mal visto. “Quero muito que os brasileiros conheçam a minha cidade e que aprendam algumas coisas que são diferentes no comportamento do nova-iorquino”, diz. “Muitas vezes o que faz sentido no Brasil não faz sentido em Nova York. É como o turista americano que vai ao Brasil e não sabe que se usa sunga na praia”, exemplifica.

    Piadas

    Uma das cenas cômicas do vídeo do metrô (Foto: Reprodução/Amigo Gringo)
    Uma das cenas cômicas do vídeo do metrô (Foto: Reprodução/Amigo Gringo)

    O Brasil perde apenas para o Reino Unido e para o Canadá entre os países que mais enviam turistas para Nova York. Quase 900 mil brasileiros visitaram a maior cidade americana em 2013, um recorde.

    Cena do episódio que aborda as gorjetas (Foto: Reprodução/Amigo Gringo)
    Seth usa a expressão ‘puta babaca’ para se referir
    a quem não deixa gorjeta
    (Foto: Reprodução/Amigo Gringo)

    Seth usa o bom humor nos vídeos e não poupa brasileiros (e até os americanos) nas piadas sobre os erros comuns de quem visita o país. Em vários momentos, ele diz o que o turista deve fazer para não se tornar um “puta babaca”, um bordão da série de vídeos. Por exemplo, no vídeo sobre o metrô, ele diz: “Em São Paulo ou no Rio, o brasileiro, normalmente bem simpático, vira um ‘puta babaca’ e tenta entrar no trem antes de as pessoas saírem, atrapalhando todo mundo. Aqui não dá para fazer isso”.

    O jornalista afirma que espera ser bem interpretado. “Quis fazer algo leve, divertido. Tento tratar o turista brasileiro com o respeito que ele merece. Inclusive passo muito tempo defendendo e educando meus compatriotas sobre o Brasil. Todo turista está em um lugar estranho. Quero apresentar a minha Nova York para o brasileiro”, diz.

    Dicas do “amigo gringo”
    -No metrô, sempre deixe todos os passageiros saírem primeiro do vagão. “Em São Paulo ou no Rio, o brasileiro, normalmente bem simpático, vira um ‘puta babaca’ e tenta entrar no trem antes de as pessoas saírem, atrapalhando todo mundo. Aqui não dá para fazer isso”, diz Seth.

    -Deixe gorjeta para garçons, bartenders, taxistas, carregadores de mala em hotéis e outros prestadores de serviço. “Não dar gorjeta é o equivalente a seu chefe não te pagar no fim do mês. Eles contam com ela para sobreviver”, diz o jornalista. Regra básica para o restaurante: deixar entre 15% e 20%.

    -No trânsito, quando o semáforo abre para o pedestre, alguns carros que estão virando à direita podem continuar circulando. Seth recomenda olhar diretamente nos olhos do motorista para que ele pare e dê passagem. “Nova York não é como outras cidades dos EUA, onde o pedestre é rei”, diz.

    -”Visitar Nova York sem comer um bom bagel é como ir pra Salvador sem provar acarajé”, diz Seth, referindo-se ao pão de origem judaica típico da cidade. Ele recomenda pedir sabores simples, como a versão com cream cheese ou com salmão defumado. “Sabores malucos como piña colada? Esquece”, diz.

    -Peça ajuda. “Em Nova York, parece que todo mundo está de mau humor, mas na verdade nós adoramos ajudar turistas perdidos”, diz o jornalista.

    Quando o brasileiro está sendo um ‘babaca’ em Nova York, segundo Seth
    -Quando vai ao restaurante com amigos e tenta dividir a conta entre 5 cartões diferentes.

    -Quando não dá gorjeta nenhuma para o taxista ou dá pouca gorjeta para o garçom, mesmo sendo bem atendido.

    – Quando anda devagar pela calçada tirando fotos e se perguntando por que o nova-iorquino anda tão rápido.

    -Quando reserva hotel perto de Times Square se achando um homem de negócios.

    – Quando compra café no Starbucks achando que está fazendo algo muito nova-iorquino.

    -Quando compra pizza de 90 centavos, acha que está comendo pizza nova-iorquina e ainda fala mal depois

     

    Fonte: Flávia MantovaniDo G1, em São Paulo

     

     

    Gol transfere postos de check-in do T2 para o T1 em GRU

    A Gol está em processo de transferência dos postos de atendimento de check-in nacional e internacional no Aeroporto Internacional de Guarulhos. A partir de amanhã, dia 11, estes serviços deixarão de ocorrer no Terminal 2 e passarão para o Terminal 1. Além dos balcões de check-in, a loja da companhia aérea também será transferida para o T1. Confira abaixo onde ficarão os serviços da Gol em Guarulhos.

    Check-in doméstico: Terminal 1 – Asa A
    Embarque e desembarque doméstico: Terminal 1 – Asa A
    Check-in internacional: Terminal 1 – Asa B
    Embarque e desembarque internacional: Terminal 2
    Loja Voe Gol: Terminal 1 – Asa A
    Traslado para Congonhas: Terminal 1

    Fonte: Panrotas.com

    Na África do Sul, turista faz foto assustadora de tubarão-branco

    Na África do Sul, turistas entram no mar para encarar tubarões brancos

     

     

    A imagem do predador foi captada nas águas que cercam Mossel Bay

    A imagem do predador foi captada nas águas que cercam Mossel Bay

    A professora norte-americana Amanda Brewer, de 26 anos, não é nenhuma fotógrafa profissional, mas, durante uma viagem à África do Sul, conseguiu fazer uma imagem digna de capa da National Geographic.

    A foto de um tubarão-branco (com detalhes de sua assustadora mandíbula) foi tirada pela turista durante um passeio pelas águas que cercam Mossel Bay, região sul-africana localizada entre a Cidade do Cabo e Port Elizabeth e que é famosa por abrigar o predador.

    No local, turistas entram no mar dentro de gaiolas, que os permitem chegar bem perto dos tubarões. A imagem de Brewer foi captada com uma câmera GoPro no momento em que o animal era alimentado com pedaços de carne.

    A fotografia, postada no Instagram da turista, foi vista e curtida por milhares de pessoas em todo o mundo — mas também recebeu críticas de muita gente.

    Muitos internautas afirmaram que o uso de gaiolas nesse tipo de passeio pode machucar os tubarões.

     

    Trezentos dentes afiados e assassinos são uma atração para diversos turistas que visitam hoje a África do Sul. Na região da Cidade do Cabo, forasteiros esquecem por um momento as belezas da Table Mountain e os sabores do pinotage para ficar frente a frente com um dos maiores predadores dos mares: o carcharodon carcharias — também conhecido como “grande tubarão branco”. Os aventureiros são levados por um barco até o meio do oceano e se enfiam em uma gaiola de aço, que é submersa na água marinha. Toda a área está cheia de tubarões brancos, mas algumas empresas jogam carne de peixes no mar para atrair os tubarões. A maioria dos operadores dos tours afirma que a chance de se avistar o predador (que chega a ter seis metros de comprimento) é de 99%
    Tubarão branco chega perto de gaiola com turistas na região da Cidade do Cabo, na África do Sul. Entre as empresas que fazem o passeio estão a Great White Shark Tours (www.sharkcagediving.net), a White Shark Projects (www.whitesharkprojects.co.za), a White Shark Adventures (www.whitesharkadventures.co.za) e a Shark Explorers (www.sharkexplorers.com). Com o transfer incluso, o tour custa cerca de 1.850 rands — ou R$ 390 (preço pesquisado em maio de 2014 e sujeito a alterações)

    Tubarão branco fotografado a partir de uma das gaiolas que servem de proteção para turistas que fazem o mergulho na região da Cidade do Cabo
    Tubarão branco é fotografado na superfície no mar durante tour pela região da Cidade do Cabo, na África do Sul
    Fonte:Uol

    Em Nova York, hotéis abrem as portas na região da indústria da moda

     

    Para os visitantes de Nova York que se sentem desencorajados pela multidão da Times Square, o Garment District, tradicional região da indústria da moda em Manhattan, oferece um crescente número de opções de hotéis perto dos teatros da Broadway.

    O hotel Archer, abriu seus 180 quartos e terraço com vista para o Empire State em abril. O local, cujas diárias custam a partir de US$ 249 (R$ 610), conta ainda com uma ampla coleção de arte contemporânea.

    Terraço do Hyatt Herald Square, que abre neste mês em NY
    Terraço do Hyatt Herald Square, que abre neste mês em NY

    Perto dali, o Refinery Hotel, que ocupa um prédio de 1912, tem, além de um popular bar no terraço, um restaurante de decoração retrô. As diárias partem de US$ 459 (R$ 1.124).

    Editoria de Arte/Folhapress

    Onde a Broadway e a Avenue of the Americas se encontram com a 34th Street, será inaugurado, neste mês, o Hyatt Herald Square, com diária a partir de US$ 375 (R$ 919).

    “Há uma energia visível no Garment District”, diz Cheryl Gilliam, da empresa que desenvolveu o Archer. “Estamos em uma rua tranquila, de fácil acesso, mas muito do que há para se fazer pode ser feito caminhando.”

     

    Fonte:Folha

    Mudanças de terminais alteram operações da Tam em GRU

    Aviação , Área de check-in do Grupo Latam no T3 de Guarulhos (foto: divulgação)

    Área de check-in do Grupo Latam no T3 de Guarulhos (foto: divulgação)

    A Tam concluiu hoje (08) a primeira de três etapas da mudança de suas operações para o Terminal 3, no Aeroporto Internacional de Guarulhos. Nesta fase, a companhia transferiu as operações internacionais de longa distância, que fazem a ligação de São Paulo com a América do Norte e a Europa, antes realizadas no Terminal 1. A segunda etapa será realizada amanhã, dia 09, quando os voos internacionais de curta distância, para os países da América do Sul, também serão transferidos para o T3. O primeiro voo da empresa a partir do novo terminal foi o JJ 8094, que decolou às 10h37 com destino a Miami, nos Estados Unidos.

    A terceira e última etapa será concluída na sexta-feira, dia 10, quando os voos domésticos serão transferidos do Terminal 1 para o Terminal 2, asa D. Em todas alterações estão incluídas as operações de check-in, despacho de bagagem, loja para compra e remarcação de bilhetes, totens de autoatendimento e estrutura de backoffice. A área de recheck-in (balcão para check-in de passageiros em conexão) estará no T3 (piso de desembarque) e também no T2.

    Segundo o Grupo Latam, as mudanças visam proporcionar mais conforto e praticidade aos passageiros. A empresa ainda assegura que, mesmo com essa transição, não haverá alteração nos horários programados de chegada e partida dos voos.

     

     

    fonte:Panrotas