Embaixada dos EUA suspende emissão de vistos e recomenda adiamento de viagens

Não há previsão de quando o serviço voltará a funcionar; nota divulgada pelo site do órgão alerta que se trata de problema mundial

BRASÍLIA – O serviço de emissão de vistos americanos em todo o mundo está suspenso por problemas técnicos. Por causa disso, a Embaixada dos Estados Unidos divulgou nesta quarta-feira, 30, um comunicado em que pede aos brasileiros que não têm visto e planejam uma viagem para as duas próximas semanas para adiar a visita.

“O Bureau de Assuntos Consulares do Departamento de Estado está enfrentando problemas técnicos com o seu sistema de passaporte e visto. Estamos operando com capacidade reduzida e será assim até que os documentos atrasados sejam processados”, diz o texto oficial. “O problema é mundial e não é de um país, ou documento de cidadania, ou categoria de visto em especial.”

No entanto, o atendimento nos Centros de Atendimento ao Solicitante de Visto (Casv), onde se faz a primeira etapa da documentação, não é afetado pela suspensão. Os agendamentos podem ser feitos normalmente nos Casv de Brasília, Rio de Janeiro, São Paulo, Porto Alegre, Recife e Belo Horizonte.

O problema teve início após uma falha na semana passada na rede de transmissão de dados, que estava sendo alterada para racionalizar o sistema e torná-lo mais rápido. Os técnicos ainda buscam corrigir a falha, mas sem previsão de quando isso ocorrerá. Por essa razão, algumas embaixadas ou consulados poderão diminuir o número de entrevistas ou promover um reagendamento nos próximos dias.

Números. Em junho, mesmo durante a Copa do Mundo no Brasil, a Missão Diplomática dos Estados Unidos processou mais de 87 mil vistos – avanço de 4% em relação ao mesmo mês de 2013. Em São Paulo, a média de solicitações por dia foi de 2.533. O tempo médio de espera pelo agendamento é atualmente de 48 horas.

Em todo o primeiro semestre, foram emitidos 525.358 documentos, segundo a Missão Diplomática dos Estados Unidos. A maioria foi solicitada no consulado de São Paulo (281 mil), seguido de Rio, com 136 mil, e Brasília, com 62 mil.

Entre janeiro e dezembro de 2013, 1.057.854 vistos foram emitidos a brasileiros viajando para os Estados Unidos. Foi o segundo ano consecutivo em que se ultrapassou a marca de 1 milhão de documentos.

Fonte: Estadão

Mais que balada: Ibiza combina história e natureza e é Patrimônio Mundial

Além de balada, Ibiza, na Espanha, reúne cultura e belezas naturais

Praia de Comte, no extremo oeste da ilha, é considerada uma das mais bonitas de Ibiza
Águas tranquilas do Mediterrâneo são ideais para a prática de esportes náuticos
Pequenas casas de barcos são comuns sobre os rochedos do litoral da ilha
Dalt Vila, ou cidade alta no idioma catalão, é onde nasceu a cidade de Ibiza, no ano 654 a.C.
Entorno de Dalt Vila é repleto de charmosos restaurantes e lojas de souvenires
Antigo hotel em Dalt Vila homenageava grandes nomes do cinema. Apesar de já ter encerrado as atividades, uma espécie de parede da fama ainda recebe a atenção dos turistas
Cenário recria tempo em que as muralhas de Dalt Vila serviam para defender a ilha da invasão inimiga
Antigos fortes estão espalhados pela costa da ilha de Ibiza, como este, no canto direito na praia d’en Bossa
Ilha de Formentera é repleta de praias de areia branca e mar cristalino. Na foto, praia de Cala Salona
Grandes navios fazem o transporte de veículos e passageiros às outras das Ilhas Baleares, como Palma de Maiorca e Formentera, e para o continente
Praia d’en Bossa é uma das mais badaladas da ilha
Bastante procurado em Ibiza na antiguidade, o sal continua sendo um dos produtos da ilha. Na foto o pôr do sol em Ses Salines
Criada na década de 70, a Pacha é uma das mais tradicionais baladas de Ibiza. É a única que abre durante o inverno

O Amnesia é famoso por sua tradicional festa da espuma

 

 

Apesar de ser relativamente novo, com três anos de existência, o Ushuaia Beach Club promove uma das maiores festas de Ibiza, atraindo cerca de sete mil pessoas por noite

 

 

Festas em Ibiza abusam da decoração, como esse boneco gigante de luz que ficou passeando pela festa de abertura da temporada de verão 2014 no Ushuaia

 

Hóspedes descansam das noites seguidas de festa do Ushuaia nas espreguiçadeiras da praia d’en Bossa

 

Vista desde a praia de Comte

 

O Café del Mar é um dos bares mais tradicionais de Ibiza. Ficou famoso por suas coletâneas de música chill-out

 

 

O pôr do sol visto da frente do Café del Mar é um dos mais concorridos da ilha

 

 

Escolhida por Neymar como destino de férias pós-Copa, Ibiza é conhecida mundialmente por suas grandiosas festas de música eletrônica, mas ela é muito mais do que isso. Essa pequena ilha no mar Mediterrâneo tem história marcada por sucessivas conquistas e invasões, desde fenícios e romanos a hippies e turistas, deixando marcas em sua arquitetura e modo de vida, que tem na liberdade sua principal característica.

Desde 1999 a ilha é considerada Patrimônio Mundial pela Unesco, graças à sua biodiversidade e cultura. Sítios arqueológicos, como o de Sa Caleta e da gruta de Es Cuiram, e os fortes espalhados pela costa da ilha contribuem ao reconhecimento.

Localizada a pouco menos de 300 km do norte da África, a cidade foi fundada pelos fenícios no longínquo ano de 654 a.C.. Como herança, ainda encontra-se no centro antigo da cidade a necrópole de Puig des Molins, considerada a maior e mais bem preservada da cultura fenícia-púnica.

A necrópole de Puig des Molins é considerada a maior e melhor preservada da cultura fenícia-púnica

 

Mas é na parte amuralhada que ficam as ruínas mais impressionantes de Ibiza. Bastante concorrida por diversas civilizações por sua posição estratégica no mar Mediterrâneo e pela abundância de sal – produto de alto valor comercial na época – a cidade era alvo constante de ataques.

Romanos, vândalos e árabes trabalharam na construção de defesas para a cidade no período que a dominavam, mas foi o rei da Espanha Felipe 2° que, no século 16, ordenou a construção das muralhas na configuração que se encontram atualmente, protegendo a cidade de ataques otomanos e de piratas. Dalt Vila, ou “Cidade Alta” em catalão, ainda abriga no topo uma catedral que mistura arquitetura gótica e renascentista dedicada à padroeira da cidade, Nossa Senhora das Neves.

Romanos, vândalos e árabes trabalharam na construção de defesas para a cidade no período que a dominavam, mas foi o rei espanhol Felipe 2° que, no século 16, ordenou a construção das muralhas na configuração que se encontram atualmente, protegendo a cidade de ataques otomanos e de piratas.

 

Natureza
As belezas naturais da ilha também merecem destaque. A possidônia oceânica é uma espécie de gramínea marinha da região do Mediterrâneo. Uma imensa colônia de 8km de extensão e cerca de cem mil anos de idade circunda a ilha de Ibiza e sua vizinha, Formentera, formando o maior e mais antigo ser vivo do planeta. Essa história se torna muito mais interessante quando observa-se os efeitos dessa planta gigante na ilha: ela filtra a água e retém as impurezas, tornando o mar que banha as duas ilhas incrivelmente cristalino.

Vista do mar Mediterrâneo do alto de Dalt Vila

 

São mais de 50 praias em Ibiza, oferecendo opções de lazer para todos os gostos e perfis. Badaladas, nudistas, desertas ou para o público GLS. Tem de tudo. A praia de Comte, no extremo oeste da ilha, é considerada uma das mais bonitas. Formada por diversas prainhas, uma delas voltada ao nudismo, tem as ilhas de Bosc e S’Espartar como pano de fundo na paisagem. Já na praia de Ses Salinas as principais atrações são seus visitantes. Ela é famosa por receber celebridades que frequentam a ilha, enquanto a praia d’en Bossa é mais procurada por quem busca um clima de festa à beira mar.

Praia de Comte é formada por quatro prainhas, sendo uma delas voltada à prática de nudismo

 

 

Outro local bastante concorrido é a praia de Cala d’Hort, a sudoeste da ilha. De suas areias é possível visualizar a ilha de És Vedrà, um rochedo de quase 400m de altitude que emerge do mar, mais ou menos como o Morro dos Dois Irmãos em Fernando de Noronha.

A ilha é cercada de lendas e mitos. Já foi apontada como habitat de sereias e ninfas, local de nascimento da deusa fenícia Tanit, ponto de aterrisagem de ovnis, a ponta do continente perdido de Atlantis e até já foi dito que suas pedras foram utilizadas para a construção das pirâmides do Egito. Acredite ou não nas lendas, vale a visita ao lugar, principalmente durante o pôr do sol, um dos mais espetaculares da ilha.

Com quase 400 metros de altura, a ilha de És Vedrà representa o lado místico da ilha. Dizem as lendas que é habitat de sereias e ninfas, local de nascimento da deusa fenícia Tanit, ponto de aterrisagem de ovnis, a ponta do continente perdido de Atlantis e até que suas pedras foram utilizadas para a construção das pirâmides do Egito

Com quase 400 metros de altura, a ilha de És Vedrà representa o lado místico da ilha. Dizem as lendas que é habitat de sereias e ninfas, local de nascimento da deusa fenícia Tanit, ponto de aterrisagem de ovnis, a ponta do continente perdido de Atlantis e até que suas pedras foram utilizadas para a construção das pirâmides do Egito

 

 

Quem busca paisagens mais naturais e praias reservadas tem a opção de pegar um barco até a ilha de Formentera, três quilômetros ao sul da ilha. São 20km de praias em que a preservação do ecossistema é a principal preocupação. A ilha costuma receber muitos artistas e artesãos, atraídos pela possibilidade de contato com a natureza e o astral mais relaxado e liberal. É mais ou menos o que costumava ser Ibiza há algumas décadas, quando o movimento hippie chegou por lá.

Vista da ilha de Formentera, localizada a três quilômetros ao sul de Ibiza

 

Ibiza livre
Alex Alegria, como gosta de ser chamado, é brasileiro e se gaba de ser o dono do único bar verde-amarelo da ilha. Morador de Ibiza há cerca de 20 anos, coloca na liberdade a culpa pela falta de vontade de voltar para casa. “Aqui você pode fazer o que quiser. Só ficando aqui para entender”, conta. “Ninguém se importa com quem você é, de onde vem, sua classe social, sua sexualidade. Aqui você pode ser o que você quiser ser”.

Homem pratica stand-up paddle em frente à praia nudista de Comte

 

 

Hoje Ibiza é o destino dos sonhos para djs e fãs da música eletrônica e gaba-se de ter algumas das melhores festas do mundo. A Pacha segue sendo uma das principais referências. É a única que não fecha durante o inverno e se destaca com festas como a “F*** me I’m Famous”, produzida pelo dj francês David Guetta. No Amnesia acontecem as famosas festas da espuma.

As festas mais concorridas atualmente estão no Ushuaia, uma espécie de hotel-balada. Tem decoração extravagante e psicodélica e o preço pode assustar: uma suíte com vista pode custar mais de dois mil euros a diária, enquanto uma simples cerveja custa 12 euros.

Calçada da fama do Ushuaia eterniza grandes nomes da música eletrônica, como Afrojack, David Guetta e Fat Boy Slim

 

 

Para quem não é tão chegado em música eletrônica, o recém-inaugurado Hard Rock Hotel é opção. Com conceito semelhante a um hotel-balada, aposta em festas mais voltadas ao pop e rock. A decoração é um dos maiores atrativos, expondo relíquias de artistas que já passaram pela ilha, como Lady Gaga, Freddie Mercury, Sid Barret (do Pink Floyd) e os Beatles Ringo e Jonh Lennon.

No Hard Rock Hotel, inaugurado no verão de 2014, objetos utilizados por grandes nomes da música que passaram pela ilha fazem parte da decoração, como a guitarra de Frank Zappa ou os óculos de Will.i.am

fonte:Uol

Valle Nevado tem 90% de ocupação em julho

Complexo recebeu 150 mil turistas no período, sendo 70% brasileiros

Complexo recebeu 150 mil turistas no período, sendo 70% brasileiros

O Valle Nevado Ski Resort, no Chile, registrou ocupação de 90% nos três hotéis do complexo até 27 de julho. A taxa representa crescimento de 15% em relação ao mesmo período de 2013. A expectativa inicial é receber cerca de 300 mil turistas até o dia 26 de setembro, quando tem fim a temporada de neve. Entretanto, o resort recebeu cerca de 150 mil pessoas até o momento, entre hóspedes e visitantes.

“Mesmo com a abertura da temporada durante a Copa do Mundo, conseguimos atingir 90% de ocupação em nossos hotéis, o que é um número significativo”, ressalta o diretor comercial do Valle Nevado, Ricardo Almeida. Os brasileiros são maioria entre os visitantes do complexo e representaram 70% dos turistas que estiveram na estação neste primeiro mês de temporada de neve. O crescimento, se comparado aos trinta dias iniciais da alta temporada passada, foi de aproximadamente 19%.

fonte:Panrotas

Dicas para percorrer o Caminho de Santiago de bicicleta

Conheça detalhes importantes para quem quer pedalar no percurso dos peregrinos

Os Caminhos de Santiago são os percursos percorridos pelos peregrinos que afluem a Santiago de Compostela desde o século IX para venerar as relíquias do apóstolo Santiago Maior, cujo suposto sepulcro se encontra na catedral de Santiago de Compostela. Há muita informação disponível para quem quer percorrer o Caminho de Santiago, mas não há um local ou site que reúna tudo que você vai precisar.

Dos muitos “Caminhos de Santiago” existentes, o que é mais percorrido pelos brasileiros é o chamado Caminho Francês, que sai de Sant Jean Pied Port.

Fizemos esse percurso de bicicleta e, a seguir, damos dicas sobre nossa experiência:

Colunista conta sobre a experiência de pedalar no Caminho de Santiago/Foto: Rodrigo Telles Colunista conta sobre a experiência de pedalar no Caminho de Santiago/Foto: Rodrigo Telles

Treinamento

Podemos classificar o Caminho Francês, se feito pela trilha, como sendo de dificuldade média-alta. Vale a pena fazer alguns caminhos brasileiros antes, principalmente para adquirir experiência em cicloturismo. Viajando por aqui no Brasil você vai se conhecer melhor, descobrir suas reações ao sono, fome, frio e stress, além de poder testar melhor seus equipamentos e escolher o que levar. Uma boa sequência para começar é, por ordem de dificuldade, o Circuito Costa Verde e Mar, depois o Circuito Vale Europeu e por último o Caminho da Luz ou o Circuito das Araucárias.

Época do Ano

Maio e setembro são bons meses para viajar. Em alguns anos, maio ainda pode fazer frio, chover e até nevar, mas é uma época bem bonita por ser a primavera. Em setembro o clima é mais ameno, a vegetação costuma estar mais seca e as árvores de outono dão um colorido especial. No inverno (lembrando que corresponde ao nosso período de verão), muitos albergues ficam fechados e pode nevar bastante.

Se puder, evite a alta temporada de turismo, em julho e agosto, porque tudo vai estar mais caro e mais lotado. Além de ser o período mais quente do ano, com possibilidade de temperaturas bem altas.

Dos muitos “Caminhos de Santiago” existentes, o que é mais percorrido pelos brasileiros é o chamado Caminho Francês/Foto: Rodrigo Telles
Dos muitos “Caminhos de Santiago” existentes, o que é mais percorrido pelos brasileiros é o chamado Caminho Francês/Foto: Rodrigo Telles

Duração da Viagem

Fizemos em 20 dias, indo de S. Jean até Finesterrre, um total de 1.000 quilômetros. Deu para curtir com calma o caminho. Se você tiver menos do que 15 dias é bom pensar em percorrer um trecho menor ao invés de fazer uma maior quilometragem por dia. Ninguém faz o Caminho em um tempo maior e se arrepende depois, pelo contrário, todos pensam em voltar com mais tempo livre, pois há muito o que ver e fazer no Caminho além de pedalar.

Trilha ou Estrada

Se pretende fazer pela trilha, a bicicleta tem que ser de tipo mountain bike, com pneus de cravos. Apesar da dificuldade técnica não ser alta, há muitos trechos de single-track e boa parte do percurso é de terra e cascalho.

Vimos que a maioria dos ciclistas estrangeiros percorre o caminho pela estrada de asfalto. Claro que a pedalada rende mais, mas com isso se deixa de aproveitar muito em termos de paisagem, contato com a natureza e com outros peregrinos. Valeu a pena o esforço de ir pela trilha, só saímos dela nas duas subidas principais, que são os Pirineus, no início do caminho, e do Cebreiro, mais para o final, pois são trechos com bastante degraus.

Outra vantagem de fazer pela trilha é que você não se perde. Já desviando para a estrada, as setas somem e fica difícil voltar para a trilha depois. Pode ser útil um track log de GPS da estrada, mas mesmo assim você vai ficar preso àquele caminho traçado ali, não dá para escolher quando fazer pela estrada ou pela trilha a qualquer momento.

O Caminho Francês, se feito pela trilha, tem dificuldade média-alta/Foto: Rodrigo Telles
O Caminho Francês, se feito pela trilha, tem dificuldade média-alta/Foto: Rodrigo Telles

Bicicleta

Saia com uma bicicleta bem revisada e com componentes de confiança, porque não é qualquer cidadezinha que vai ter boas bicicletarias, não vale a pena carregar dor de cabeça para a viagem. Além disso, o horário de funcionamento das bicicletarias (e do comércio em geral) nem sempre bate com suas necessidades, eles fecham meio dia e só abrem após às 16 horas.

Um acessório que ajuda bastante é a campainha, pois há muitos peregrinos a pé que não escutam a nossa aproximação. Uma relação de marchas bem leve vai bem, principalmente se for fazer o caminho pela trilha.

Bagagem

Não é bom exagerar para mais nem para menos. Leve poucas mudas de roupa e vá lavando toda noite. Não deixe de levar capa de chuva, agasalho, saco de dormir, lanche para uma emergência e pelo menos dois litros de água por dia.

Para acomodar a bagagem é indispensável usar um bagageiro e adaptar alforjes. Levar peso em mochila nas costas é puro sofrimento.

Sapatilha X Tênis

Só use sapatilha na viagem se já estiver acostumado. O uso é uma decisão bem pessoal, mas leve em conta que a sapatilha será um calçado bem pouco versátil, que não vai servir para caminhadas pela cidade. Assim pode ser necessário carregar um calçado extra que seja mais confortável.

Assista o vídeo da nossa viagem:

 

 

fonte:webventure

 

 

Governo vai bancar metade dos custos de voos regionais já existentes

Subsídio faz parte do Programa de Desenvolvimento da Aviação Regional, com custo inicial de até R$ 1 bilhão em 2015

Nivaldo Souza, da Agência Estado

BRASÍLIA – Metade dos custos dos voos regionais operados pelas companhias aéreas no interior do País será assumida pelo governo federal, especialmente as rotas que já são executadas pelas empresas. O subsídio é alvo do Programa de Desenvolvimento da Aviação Regional (PDAR), lançado como medida provisória pelo Palácio do Planalto, com custo inicial de até R$ 1 bilhão em estímulo financeiro no primeiro ano (2015).

O ministro da Secretaria de Aviação Civil (SAC), Moreira Franco, classificou o repasse de recursos públicos para as companhias privadas como “política econômica”. Ele comentou hoje detalhes do plano, que chega com atraso de quase dois anos desde o anúncio feito pela presidente Dilma Rousseff, em 2012.

A meta do governo é atender 96% da população brasileira com aeroportos a uma distância média de 100 quilômetros de cada cidade do País. Para isso, o governo vai assumir a conta de até 50% dos assentos das aeronaves, limitado a 60 lugares por trecho, em voos com origem ou destino a cidades do interior.

O pagamento será por meio da isenção de tarifas aeroportuárias para passageiros e companhias – como taxa de embarque, de pouso, permanência ou navegação. Ou seja, os tributos deixarão de ser recolhidos para serem repassados para empresas aéreas.

As companhias, contudo, não terão uma punição preestabelecida, para o caso de não repassarem o estímulo financeiro para o preço das passagens. Será uma operação na base da confiança. “Partimos do pressuposto de que as empresas têm riscos de imagem, têm valores”, defendeu Moreira Franco. “As empresas vão aderir ao programa e sabem que ele tem o objetivo de diminuir o custo para que as passagens diminuam. Temos o instrumental matemático, técnico, que permite uma avaliação do desempenho desse programa”, disse.

Caberá à Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) regulamentar o cumprimento das regras do programa pelas áreas. “O que queremos é que as companhias possam trabalhar com custos menores, que vão permitir que os preços (das passagens) praticados por elas sejam menores”, observou o titular da SAC. “O que queremos é dar regularidade para dar aos passageiros o direito de se mover para outros cantos do Brasil a preços que sejam compatíveis com a realidade da mobilidade.”

Moreira Franco avaliou que o subsídio será suficiente para fazer com que o valor de uma passagem aérea seja próximo ao de um bilhete de ônibus. O ministro não sou precisou, porém, por quanto tempo a conta de R$ 1 bilhão será paga com recursos da União.

“Estamos vendo se fazemos avaliação do uso dessa ferramenta ano a ano ou de dois em dois anos. Mas faremos uma avaliação para saber da eficácia do resultado e, eventualmente, para aumentar ou diminuir esse volume e, quando o mercado estiver consolidado, até acabar, porque é uma ferramenta de política econômica, que tem um objetivo e esse objetivo tem de ser atingido num determinado prazo”, disse.

Outros R$ 7,2 bilhões serão aplicados na melhoria da infraestrutura de 270 aeroportos regionais. O dinheiro sairá do Fundo Nacional da Aviação Civil (Fnac), assim como o R$ 1 bilhão em subsídios. O Fnac arrecadou R$ 2,704 bilhões, em 2013, sendo R$ 1,226 bilhão provenientes da receita de outorga recolhida pelos concessionários dos aeroportos de Campinas, Guarulhos e Brasília. Descontados os recursos das outorgas, a arrecadação foi de cerca de R$ 1,5 bilhão.

O ministro não informou em quantos anos o total dos gastos com infraestrutura será executado – embora tenha garantido que haverá recursos suficientes no Fnac para a reforma dos aeroportos – nem detalhou como será a execução do orçamento.

Somente para contratar estudos técnicos de reforma de 26 desses terminais aeroportuários, o governo já gastou R$ 197 milhões. “Esse fundo é composto com recursos das taxas aeroportuárias e do pagamento de concessões. Fizemos leilões e os recursos estão indo para o fundo. Há também as outorgas que são pagas ao longo do anos. É um fundo que vem da aviação para garantir os direitos da maioria dos brasileiros”, disse.

 

Fonte:Estadão

Sobrevoo de águia vence concurso de fotos por drones

Competição da National Geographic reuniu registros deslumbrantes feitos por veículos aéreos não tripulados.

Um novo concurso de fotografia patrocinado pela “National Geographic” premiou as melhores imagens registradas por drones – veículos aéreos não tripulados.

A foto vencedora retrata o sobrevoo de uma águia em um parque em Bali, na Indonésia.

Além da escolha do júri, usuários puderam eleger as fotos de que mais gostavam no site “Dronestagram”, que reuniu os registros feitos pelas pequenas aeronaves. As imagens mais populares também foram premiadas.

 

Um novo concurso de fotografia promovido pela National Geographic reuniu imagens deslumbrantes registradas por drones - veículos aéreos não tripulados. A foto que venceu a competição retrata o voo de uma águia sobre o parque nacional Barat, em Bali, na Indonésia.  (Foto:  Dronestagram/BBC)
Um novo concurso de fotografia promovido pela National Geographic reuniu imagens deslumbrantes registradas por drones – veículos aéreos não tripulados. A foto que venceu a competição retrata o voo de uma águia sobre o parque nacional Barat, em Bali, na Indonésia (Foto: Dronestagram/BBC)
Outras fotos que concorreram ao prêmio podem ser vistas no Dronestagram, um site dedicado às imagens registradas pelos aparelhos. O fundador do site, Eric Dupin, afirmou à BBC que a fotografia feita por drones oferece uma nova perspectiva da realidade. O segundo lugar foi para o usuário Jericsaniel por esta imagem registrada em Manila, nas Filipinas (Foto: Dronestagram/BBC)
O segundo lugar foi para o usuário Jericsaniel por esta imagem registrada em Manila, nas Filipinas (Foto: Dronestagram/BBC)
O por do sol na pitoresca cidade de Annecy, no sudeste da França, conquistou o terceiro lugar no concurso. (Foto: Dronestagram/BBC)
O pôr do sol na pitoresca cidade de Annecy, no sudeste da França, conquistou o terceiro lugar no concurso (Foto: Dronestagram/BBC)
Além das escolhas do júri, outras imagens também receberam prêmios. A foto do usuário Postnadfly, por exemplo, ganhou o primeiro lugar entre as imagens mais populares entre os visitantes do Dronestagram. A imagem retrata as cachoeiras Tamul, no México, famosas não só pela altura (105 metros), mas também pelas suas águas cristalinas (Foto: Dronestagram/BBC)
Além das escolhas do júri, outras imagens também receberam prêmios. A foto do usuário Postnadfly, por exemplo, ganhou o primeiro lugar entre as imagens mais populares entre os visitantes do Dronestagram. A imagem retrata as cachoeiras Tamul, no México, famosas não só pela altura (105 metros), mas também pelas suas águas cristalinas (Foto: Dronestagram/BBC)
fonte:G1

Aviação Regional ganha programa de Desevolvimento

Governo pretende, entre outros, aumentar o acesso da população brasileira ao sistema aéreo de transporte, facilitar o acesso a regiões com potencial turístico

Aviação

Aviação: programa, segundo anúncios feitos pelo governo, deve favorecer 270 aeroportos regionais no País

Brasília – O governo federal publicou nesta segunda-feira, 28, no Diário Oficial da União (DOU) a Medida Provisória 652, que cria o Programa de Desenvolvimento da Aviação Regional (PDAR). Com a medida, o governo pretende, entre os objetivos, aumentar o acesso da população brasileira ao sistema aéreo de transporte, facilitar o acesso a regiões com potencial turístico e ampliar o número de municípios e rotas atendidos por transporte aéreo regular de passageiros.

 

Para viabilizar o programa, a MP autoriza a União a conceder subvenção econômica em algumas circunstâncias, entre elas para pagamento dos custos relativos às tarifas aeroportuárias e de navegação aérea em aeroportos regionais, para pagamento dos custos correspondentes ao Adicional de Tarifa Aeroportuária e para pagamento de parte dos custos de voos em rotas regionais.

Segundo o texto, os subsídios não contemplarão tarifas de armazenagem e de capatazia e serão concedidos somente para as empresas concessionárias de serviços aéreos regulares de transporte de passageiro e para as empresas que operam ligações aéreas sistemáticas.

“As empresas interessadas em aderir ao PDAR deverão assinar contrato com a União, que conterá as cláusulas mínimas previstas no regulamento”, diz a MP. “O pagamento da subvenção econômica será efetuado mediante a utilização de recursos do Fundo Nacional de Aviação Civil, alocados nos orçamentos da União, observada a dotação orçamentária destinada a essa finalidade”, acrescenta.

O programa, segundo vários anúncios já feitos pelo governo, deve favorecer 270 aeroportos regionais no País. O anúncio da proposta para melhorar a infraestrutura de terminais regionais foi feita pela primeira vez no fim de 2012. O objetivo é assegurar que as cidades de médio porte do Brasil sejam servidas por aeroportos que não fiquem situados a mais de 100 quilômetros de distância.

Em maio, em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, o ministro de Aviação Civil, Moreira Franco, afirmou que o subsídio deverá ter um teto de R$ 1 bilhão ao ano e será direcionado principalmente a voos atuais, e não a novas rotas. Segundo a Medida Provisória, caberá ao Poder Executivo regulamentar o programa, especialmente em relação às condições gerais para a concessão dos subsídios e sua vigência.

 

Fonte:Exame